NOTÍCIAS

Empregada gestante em trabalho temporário não tem estabilidade, entende TST



Trata-se de nova mudança de entendimento. O plenário do Tribunal Superior do Trabalho (TST), por maioria de votos, decidiu que não se aplica a garantia provisória de emprego para a gestante em caso de trabalho temporário.

Até essa decisão, prevalecia o entendimento que a empregada gestante teria direito à estabilidade provisória mesmo em caso de contrato por tempo determinado (Súmula n.º 244 do TST).

No caso, foi definida a seguinte “tese jurídica”: "é inaplicável ao regime de trabalho temporário, disciplinado pela Lei n.º 6.019/74, a garantia de estabilidade provisória à empregada gestante, prevista no art. 10, II, b, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias".

O novo entendimento consolidado deverá ser aplicado a todos os demais casos similares em tramitação na Justiça do Trabalho em todo o país. A decisão aguarda publicação.


Para saber mais entre em contato:


contato@costaekoenig.com.br

Costa & Koenig Advogados Associados – OAB/RS 4.407.

Fonte: CNI – Gerência Executiva de Relações do Trabalho

Processo: TST-IAC-5636-31.2013.5.12.0051


PUBLICAÇÕES RECENTES
ARQUIVO